A BARCA DAS SONHAÇÕES



I.

Há de ser mais bonito o mar que nunca vi ―
essa pátria que é a minha!:
nunca pude mesmo
ir-me destas singelezas
(espoletas do ínfimo, diria um fazedor de amanhecer).

Eu, neste tempo presente,
vivo é porque anda esta mão minha
por desassentar a crueza da luz
sobre a sofrência em que vamos
uns irmãos com os outros
e a mudá-la em cor de tingir poesia.

Mesmo pegado do pouco delírio que lhe vou a dar,
meu verbo navega
(pobrezito na barca sua em que vai)
para além da tristência de agora-aqui.


II.

É-me um estranho solo este
dos homens desconstrutores das sonhações ―
desaceito a veemência de suas arcarias;
bebo-me nas coisas por outra ordem.

...................................
# Constante de A Selvagem Língua do Coração das Coisas (Realce, 2005)

│Autor: Dércio Braúna
_____________________________

Comentários

  1. ...bebo-me nas coisas por outra ordem. Nada mais absoluto. Excelente. Abraços. Pedro.

    ResponderExcluir

Postar um comentário