ANOTAÇÃO ANTIGA



quando a noite
com seu eterno e sutil silêncio descer
repousarei sob a consciência

breve

meus olhos irão se desvanecer, breve
em pálpebras inertes...
― a minha mente vagará em outras dimensões

disperso

ficará anotado em meu diário:
― meu dia não foi em vão, amanhã serei outro tempo



..........................
# Poema constante de AS CORES DO TEMPO (Calibán, 2007)

│Majela Colares
____________________

Comentários

OS 10 POSTS MAIS VISITADOS DOS ÚLTIMOS 30 DIAS

ÚLTIMO GRITO CONTRA A ESCURIDÃO

CONSUMAÇÃO

POEMAS DE PEDRO DU BOIS

VIAJANDO NA MADRUGADA

CATILINA

SOMBRAS E SOBRIEDADE

ÁVIDA FLAMA INCESSANTE

SERTÃO

RUÍNAS