DOIS POEMAS DE DÉRCIO BRAÚNA


PEQUENOS DEUSES


Repara na tarde que te guarda (na vida
que te escapa, cada polegada por
segundo): o que nela não é senão essa
confusa distribuição de seda e péssimo?[18]

Vês aquelas crianças: contra a púrpura
da tarde, sobre suas velhas bicicletas
(como pequenos deuses em aparição),
não dirias que todo futuro será fabuloso?

...................



O CREPÚSCULO POR SOBRE AS COISAS


Mas as nuvens alaranjadas do crepúsculo
douram todas as coisas com o encanto da
nostalgia; até mesmo a guilhotina,[19] até
mesmo essas futuras bestas que, sobre
suas idílicas bicicletas, não imaginam
(poderiam?) a esplêndida atrocidade
que suas pequeninas mãos guardam. ―
Eis o milagre sumário das coisas.


______
NOTAS (Conforme enumeradas no próprio livro, Metal sem Húmus):
18. CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE, Claro enigma – “Contemplação no banco” (Rio de Janeiro: Record, 2006, p. 38).
19. MILAN KUNDERA, A insustentável leveza do ser (São Paulo: Companhia das Letras, 1999, p. 10).


# Poemas constantes de Metal sem Húmus (7Letras)

____________________

Comentários

OS 10 POSTS MAIS VISITADOS DOS ÚLTIMOS 30 DIAS

RUÍNAS

ÚLTIMO GRITO CONTRA A ESCURIDÃO

ÁVIDA FLAMA INCESSANTE

VIAJANDO NA MADRUGADA

CATILINA

SERTÃO

CONSUMAÇÃO

O PIANO