O HOMEM SENTADO

               Sentado
em sua impassível  cadeira de balanço
defronte a casa,
                             aquele velho
                             é só um velho,
um escombro
que não perturba
as infinitas claridades do dia.

             Sentado,
            imóvel,
é um campo inerte
de tácito silêncio
que não produz
um mínimo pulso
no coração voraz das coisas.

               Seria.

Pois eis que uma mão
toca,
        abre esse campo,
        traduz em caos e inércia;
e o que antes
não-era,
não-estava,
                     pulsa,
                     devasta
o equilíbrio límpido do branco ―

penetraste, Poeta,
no arcaico engendro da vida!



..............................
* Poema constante de O Pensador do Jardim dos Ossos (Expressão Gráfica e Editora, 2005)
* Sobre Dércio Braúna, acesse este (LINK)
.................................

│Autor: Dércio Braúna│
____________________________

Comentários

  1. Olá, Webston!
    Tenho de conhecer melhor Dércio Braúna.
    Levo este poema para Quem lê Sophia de MB Andresen.
    Abraços.
    LT

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ok, Lília! Dércio é muito criativo! Agradeço a divulgação do post na página. Abraços!

      Excluir

Postar um comentário

Esteja à vontade para comentar. Se possível, compartilhe o post nas redes sociais. Grato! Webston Moura