Palavras


Sentas-te ainda à mesa ― escreves
palavras tão compactas, tão opacas
como a luz que te cega. Cada dia
promete o infinito em meia dúzia
de palavras ― amor,
a vida, o tempo, a morte, a esperança,
o coração. Repete-as,
repete-as muitas vezes em voz alta
e escuta a sua música
até não quererem dizer nada.



│Autor: Fernando Pinto do Amaral
___________________________

OS 10 POSTS MAIS VISITADOS DOS ÚLTIMOS 30 DIAS

RUÍNAS

ÚLTIMO GRITO CONTRA A ESCURIDÃO

ÁVIDA FLAMA INCESSANTE

VIAJANDO NA MADRUGADA

CATILINA

SERTÃO

CONSUMAÇÃO

O PIANO