lendo o caminho




Aromas inanimados
Conduzem a alma
Enquanto, de longe, farejo a doce fumaça que sobe.
O tempo segue em espiral de Luz
Refazendo planos e redirecionando a rota.
Serena, sinto o cheiro do nada adiante
E recrio, calada,
Novos perfumes em preto e branco.






...............................
# Poema constante de rumo norte (Prêmio Otacílio de Azevedo).


Natércia Rocha nasceu em 1971, em Fortaleza, foi criada em Juazeiro do Norte, mas suas raízes estão na região Norte do Ceará. Fez parte da segunda turma da Escola de Dramaturgia do Museu da Imagem e do Som (MIS), na década de 90, sob direção do cineasta Orlando Senna, e é formada em Jornalismo pela Universidade de Taubaté, Vale do Paraíba, em São Paulo. É também autora de Contos de ir embora (Edições Demócrito Rocha).

Comentários

OS 10 POSTS MAIS VISITADOS DOS ÚLTIMOS 30 DIAS

RUÍNAS

ÚLTIMO GRITO CONTRA A ESCURIDÃO

ÁVIDA FLAMA INCESSANTE

VIAJANDO NA MADRUGADA

CATILINA

SERTÃO

CONSUMAÇÃO

O PIANO