Outro instante não houve


Outro instante não houve em tua vida
fora do longo e lúcido momento
em que regavas as palavras vindas
do lago azul dos vales araucanos.

Um instante não houve, camarada
em que afastasses a tua voz
do sussurro da floresta antiga
e do ruído das estações de esperança
sempre despedidas. E perseguidas sempre.

Providencial operário e artífice:
forjaste o sino vibrante que dobra
sobre os tetos da pobreza
e retine na alma americana
em toques infindáveis.

Poeta,
acepta nuestra copa,
maduro vino de la tierra amanhecida.
Campanas solidarias
en las minas, em la pampa, em los cerros,
em todas partes repercuten las palavras
antiguas y nuevas de flor ya sangre.

Rosas blancas alzadas al cielo
una bandada de palomas
Saluda el Tiempo Nuevo.


...........................
# Poema constante de "Neruda: canto memorial" (Imprensa Universitária, 2004). Website do autor: http://www.lucianomaia-memoriadasaguas.com/


│Autor: Luciano Maia

Comentários

OS 10 POSTS MAIS VISITADOS DOS ÚLTIMOS 30 DIAS

ÚLTIMO GRITO CONTRA A ESCURIDÃO

CONSUMAÇÃO

POEMAS DE PEDRO DU BOIS

VIAJANDO NA MADRUGADA

CATILINA

SOMBRAS E SOBRIEDADE

ÁVIDA FLAMA INCESSANTE

SERTÃO

RUÍNAS