IDÍLIO

No jardim
─ ar níveo, aquoso e leve ─,
depois do alpendre de madeira,
onde floresciam lembranças,
amabilidades tranquilas,
vergéis cor de lua,
havia-se consigo e só
(seu olhar e seu pulso)
no sentir dos enquantos:
amava o próprio amor,
os olhos de Annie Lennox.

Relia a carta escrita à tarde;
ressentia, suave, o papel,
sua cor e textura,
a mágica que lhe definia
para aquela função:
palavras que eram todas adição.

(Fecha os olhos:
nuances te pronunciam
─ raridade íntegra ─,
como o que vês
assim no doce escuro
que se adensa por teu corpo)

Sabia-se consigo e só
(seu cheiro por si percebido)
e toda a sua pessoa era idílio.

.........................
Poema escrito sob inspiração de, entre outras, "Why", música de Annie Lenox, a qual você escuta aqui: https://youtu.be/.


│Autor: Webston Moura

Comentários