O HOMEM CALADO DA RUA DISCRETA

Sob a luz da TV, letargia.
A casa, ainda mais escassa,
recendia a incômodos acumulados.
Lá fora, o mundo se multiplicava
                                   em entropias.

Desde ontem, o gato não voltou.
Seu canto, vazio; sua comida, intacta.

Calado, o homem fritava ovos
enquanto continuava a receber
estranhos sinais de Honshu.
Por ainda mais estranho,
sonhava, noite a noite,
com o um bosque perto de Oele.

Da sala, soava:
Si arrastré por este mundo
La verguenza de haber sido
El dolor de ya no ser
Bajo el ala del sombrero.
Cuántas veces, embozada,
Una lágrima asomada yo no pude contener*.

São 17h.
E há uma brisa suave.


.................................
NOTA: * Trecho de "Cuesta abajo", mais rconhecida na voz de Carlos Gardel, mas aqui cantada por Pasión Vega: https://youtu.be/


..................................................
│Autor: Webston Moura
_________________________

Comentários