A ALGAROBEIRA

Dá-se bem com a rudeza
da terra em que se ergue.
Rudeza da pouca água
com que vive e não padece.
Entre severos, acresce
de força sua beleza.
Austera, sua imagem;
seu fruto, uma vargem doce
com que o boi se abastece.
Dizem dela: estrangeira
que aqui se assentou,
como se fora daqui
sua nascença de sempre,
tal se nota em seu destino
o nordestino vigor,
o mesmo do lavrador,
aquele que conhecemos
por um nome mui comum
(Antonio, Pedro, Clemente
─ homem de sol e labor).

Algarobeira, seu nome.
E é preciso guarda-lo
vivo e direto na árvore
bem mais que nos dicionários.


│Autor: Webston Moura
______________________

Comentários

OS 10 POSTS MAIS VISITADOS DOS ÚLTIMOS 30 DIAS

ÚLTIMO GRITO CONTRA A ESCURIDÃO

CONSUMAÇÃO

POEMAS DE PEDRO DU BOIS

VIAJANDO NA MADRUGADA

CATILINA

SOMBRAS E SOBRIEDADE

ÁVIDA FLAMA INCESSANTE

SERTÃO

RUÍNAS