NAS NUVENS DO PEITO

No fim da tarde, o vento e a amizade.




O homem de pouca conversa,
com uma gaiola sem canário
e uma coleção de gravatas borboleta.

Comprava o jornal, tomava o café,
fumava, punha-se a olhar a cidade,
passeava praças e ruas.

Sabia dos terminais de ônibus
e do preço dos legumes.

Era de pouca conversa
e, assim, não lhe apetecia
dar-se ao saber alheio mais que
o exposto em sua figura.
O mais era a imaginação dos outros.

Comer, dormir,
banhar-se, vestir-se,
tomar sabência
da pressão arterial
e do fígado,
ver subir e descer
governos,
pagar impostos
e taxas.

Abria,
entrava
e fechava
aquela porta.
Sua casa,
aquela das janelas que só
às vezes eram abertas:
nada se via de mais.

(Nas nuvens do peito,
ao som do Hyperborea,
Teresa dançava enamorada
de Vinícius de Moraes
─ e ninguém sabia).


.....................................
NOTA:
1. Hyperborea refere-se a um dos álbuns da banda alemã Tangerine Dream.

......................................................

│Autor: Webston Moura
___________________________

Comentários

  1. Interessante e belo o jogo com que as palavras nos envolvem em curtos dribles. Abraços.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

OS 10 POSTS MAIS VISITADOS DOS ÚLTIMOS 30 DIAS

RUÍNAS

ÚLTIMO GRITO CONTRA A ESCURIDÃO

ÁVIDA FLAMA INCESSANTE

VIAJANDO NA MADRUGADA

CATILINA

SERTÃO

CONSUMAÇÃO

O PIANO