O ABANDONO

Onde o incerto, também a vida.



A calidez com que o dia se ergue
e afia o seu humor por sobre as casas.
A nossa forma mesma de recebê-lo,
impossibilitados de sermos mais.
A vaga lembrança, no meio da tarde,
de um momento de devaneio.
A consciência e os hiatos
que preencherão o corpo.
O inventário de infrações e desejos,
caderno posto a funcionar sem fim.
A pele que se enruga, ao espelho:
luz devolvida em desagrado.

Abrir a porta,
como quem já sabe,
e, a seu pé,
um perene tigre reencontrado.
Erguer os braços e despejar
os restos de um sono conhecido.

Bocejar
(um por um triz):
e ar não faz música.

Tomar banho,
comer o rápido
e sair em áspero.

O abandono.


│Autor: Webston Moura
_______________________

Comentários