UMA FLOR INÚTIL AOS ABUTRES OLHOS

Tumulto é o nome do mundo.
Vê que já não mais podemos
― corpos exaustos, exangue voz ―
supor esperanças sobre esta pedra.

E gritamos!

Na noite escura, tiros.
Mesmo o poema, suposta luz
em que, à força de palavra-gérbera,
se põe a fecundar alguma graça,
não pode contra o furor;
nada pode erguer senão braços enfermos
de nonsense e deslavra, ídolos de areia.

É findo o último azul.
E, ao fim da tarde,
depois de um dia-igual,
insolene e louca,
canta uma ave negra o seu negro canto,
arame estendido na eletricidade.

Eis a nossa casa, soez paragem
que se abarrota de notícia e caos.
Nela, estamos juntos, embora sós.

E gritamos!


│Autor: Webston Moura
________________________

Comentários

OS 10 POSTS MAIS VISITADOS DOS ÚLTIMOS 30 DIAS

RUÍNAS

ÚLTIMO GRITO CONTRA A ESCURIDÃO

ÁVIDA FLAMA INCESSANTE

VIAJANDO NA MADRUGADA

CATILINA

SERTÃO

CONSUMAÇÃO

O PIANO