UMA CANÇÃO DE OLHOS FECHADOS

Quem frequenta esta varanda
montada em sonhos?



Ainda não! ─ digo ao por-do-sol,
lenta amorosidade que me toma,
para que se demore mais ao coração.
A Terra, noutros lugares, amanhece,
mas aqui não logro medir tempos;
quero a duração da natureza,
este seu fenômeno dito pousar a luz,
adentrar a noite e deixar subir ao chão do mundo
os olhos perspicazes de outros seres.

Mas, ainda não, que desejo
estar no talvez, na imprecisão,
no reflexo áureo-fugidio da luz na água.
Queira-me assim, impensante.

A vida é bela,
uma canção de olhos fechados,
Gal Costa passeando voz na amplidão.


│Autor: Webston Moura
_____________________

Comentários