CONTRA O RELÓGIO

Vem o poeta e suas flores demoradas.
De dentro desta máquina de dias,
lembra-nos da moça sem nome.
Coloca esta moça no meio do nosso equilíbrio.
Aí, já nos nascem cais e tons de sépia,
a justeza das calçadas observadas em abril,
o reflexo na vidraça: o copo,
                                        frágil,
                                        no ar,
                                     caindo.

Vem o poeta e nos propõe irmos à praia,
ao que lhe respondemos estamos muito ocupados
com as junturas que a sobrevivência nos impõe fazer.

               É que somos o livro inutilizado pelo gosto da rotina
               e também não sabemos habitar flores demoradas.
               Nosso tempo é dado em dinheiro, que compra a vida.
               O reflexo na vidraça, o copo, frágil, no ar, caindo, não!
               E nenhuma moça nos embala nesta máquina de dias.


│Autor: Webston Moura
______________________