POR UM INSTANTE


Há muita força em qualquer coisa natural.
Coisa é ser sem nome mesmo.
E não ter nome não é demérito, mas liberdade.

Há muita força na monotonia dos peixes,
miúdos peixes que me prendem a atenção,
à beira d’água, marulhos vagando no silêncio.

Observo a condição dos homens,
espécie atônita da qual faço parte,
e vejo coisas presas a nomes.

Tenho pena de nós,
cegueira implacável
cultuada como a um deus.

(Mas deus de que mesmo?!)



│Autor: Webston Moura
_________________________

OS 10 POSTS MAIS VISITADOS DOS ÚLTIMOS 30 DIAS

ÚLTIMO GRITO CONTRA A ESCURIDÃO

CONSUMAÇÃO

POEMAS DE PEDRO DU BOIS

VIAJANDO NA MADRUGADA

CATILINA

SOMBRAS E SOBRIEDADE

ÁVIDA FLAMA INCESSANTE

SERTÃO

RUÍNAS