AQUELE PÔSTER DA MARLENE DIETRICH

Este, sem janelas, apartado da casa,
no fim do quintal, pequeno, três por dois.
Para os dias de lua, dirá seu solitário morador.
Coloca uma cadeira fora, protege-se do sereno,
escuta música e, de longe, alguma voz vizinha.
É um lugar de guardar, o quarto, este, modesto e bom.
E ninguém, assim na pressa, saberá do que nele se sonha.

Aquele pôster da Marlene Dietrich é por ela, claro,
mas é também por alguém de menos notoriedade
e não menos beleza; um dia no passado, o tempo voa.

A lua está cheia,
a madrugada vem.
Hoje, porém, só a porta aberta,
o azul entrando, névoa, ninho.

Pouca gente sabe de apenas estar.
Estar presente na própria vida.


│Poema da Série “O Quarto” – Autor: Webston Moura│

Comentários

OS 10 POSTS MAIS VISITADOS DOS ÚLTIMOS 30 DIAS

RUÍNAS

ÚLTIMO GRITO CONTRA A ESCURIDÃO

ÁVIDA FLAMA INCESSANTE

VIAJANDO NA MADRUGADA

CATILINA

SERTÃO

CONSUMAÇÃO

O PIANO