UM DISTINTO SENHOR

Um ladrilho dos anos quarenta.
Quero pisar isto, faz-me bem.
De resto, nem muito moderno,
exceto por traquitanas tecnológicas de hoje.
Uma ampla janela de vidro dá para a rua.
Fica ali, lê e escreve, não vê TV.     
No escuro, gosta de olhar pela janela.
Espera, sem força, uma surpresa.
Que nada! Nunca acontece nada demais na rua.
O bairro é bom, a vizinhança é normal.
Aqui é o terceiro andar de um prédio meio antigo.

Da janela, gosta de pensar ser Raymond Reddington,
mas falta-lhe o charme e a folha corrida.
Nem por isso é menos bandido com a vizinha,
uma advogada recém-solteira, sem filhos, bastante alegre.

O que se chama, com asco, de vida normal,
pode ser apenas ordem e paz, e basta.


│Poema da Série “O Quarto” – Autor: Webston Moura│

Comentários

OS 10 POSTS MAIS VISITADOS DOS ÚLTIMOS 30 DIAS

RUÍNAS

ÚLTIMO GRITO CONTRA A ESCURIDÃO

ÁVIDA FLAMA INCESSANTE

VIAJANDO NA MADRUGADA

CATILINA

SERTÃO

CONSUMAÇÃO

O PIANO