TODOS OS INDÍCIOS

Medo, porque tudo conspira para tanto;
               e horizonte outro não há senão
                              este olhar em espreita,
                                     este gesto contido,
                                este fechar de portas,
                                     tantas precauções.

Medo, porque a vida anda a requerer ciência exímia,
toda a técnica com que nos alertamos contra os males.

Dormir, sonhar, ter medo ainda aí.
Acordar instigado, as mãos trêmulas
─ um barulho no telhado, serão os gatos?,
um crucifixo na parede, o silêncio de pedra  ─,
todos os indícios de que algo está suspenso no escuro.

Lá fora, o carnaubal geme.


│Poema da Série “Medo” – Autor: Webston Moura│

Comentários

Postar um comentário